Perguntas frequentes

MOUNTAINDROP

t
PORQUÊ MOUNTAINDROP?

MOUNTAINDROP  é um suplemento dietético registado. É um sedimento herbomineral de altas altitudes, na sua forma natural, conhecido como mumio (moomiyo), mumie, asphaltum ou Shilajit. É embalado num frasco especial, feito de vidro violeta, que bloqueia os raios de luz prejudiciais, preservando, assim, as propriedades energéticas originais da substância.

EXISTEM OUTROS PRODUTOS SEMELHANTES EM PÓ RECOMENDADOS?

A substância mumio (ou Shilajit) ocorre naturalmente na forma de gotas de resina. A sua viscosidade muda de acordo com a temperatura. Outros estados ou formas agregadas (como em pó, comprimidos, etc.) requerem o processamento da matéria ingrediente, acrescentando outras substâncias, incluindo água clorada. Durante este processamento, a substância perde a suas importantes propriedades e energia. Tal foi comprovado, medindo a sua pureza e bioesfera.

A perfeição da natureza reside na sua simplicidade. Quando modificamos as propriedades que Shilajit oferece, nós alteramos a sua essência primordial, o que pode fazer mais mal do que bem. Há uma grande quantidade de produtos em pó no mercado; nesse caso, a água contida na substância original foi removida.

MOUNTAINDROP  é mumio (ou Shilajit) na sua forma original, unicamente submetida a um processo de limpeza simples, garantindo a sua eficácia como suplemento dietético.

QUAIS SÃO AS VANTAGENS DO MOUNTAINDROP?
  • Produto 100% natural na sua forma pura e original.
  • Elevada bio-potencial e limpeza energética do produto.
  • Embalado com amor.
  • Obtido sem ácido ou água clorada.
  • Embalado em um vidro roxo especial que mantém as características originais do produto.

Processo de manufatura

Shilajit é uma substância natural. Quando o Shilajit é encontrado na natureza, ele se acumula em uma bacia com água morna limpa, onde se separa das partes de pedra e terra. Nenhum composto químico é usado neste procedimento. Quando o Shilajit está limpo, é embalado à mão em frascos de vidro, pronto para uso.

Relatório de segurança

COMO É QUE MOUNTAINDROP FUNCIONA?

Os minerais contidos no MOUNTAINDROP estão em forma iónica, o que permite uma melhor absorção nos tecidos. Como consequência, o potencial da substância é muito maior.

PODE MOUNTAINDROP SER TOMADO COM OUTROS SUPERALIMENTOS?

MOUNTAINDROP aumenta o seu potencial.

QUAIS SÃO AS PROPRIEDADES DA EMBALAGEM?

MOUNTAINDROP é uma poderosa substância herbomineral, colocada em frascos  de vidro violeta. Os frascos têm um design especial pela reconhecida pintora e designer eslovena Catherina Zavodnik – um símbolo que representa o infinito e abundância e preserva a pureza energética do conteúdo.

QUAIS SÃO AS CONTRA-INDICAÇÕES DE MOUNTAINDROP?

Porque mumio (ou Shilajit) afeta o metabolismo de açúcares, os diabéticos precisam de monitorar regularmente o seu nível de açúcar no sangue.

Mumio (ou shilajit) contém fenilalanina e é contra-indicada para pessoas com fenilcetonúria (PKU).

Se estiver grávida ou se estiver a amamentar ou sob cuidados de um médico relativamente a qualquer condição de saúde, deve consultar o seu médico antes de tomar este ou qualquer outro suplemento.

MAIS SOBRE MUMIE (SHILAJIT)

MAIS SOBRE MUMIE (SHILAJIT)

Composição: 65-80% de minerais, 20-35% de matéria orgânica

  • um fitocomplexo eficaz
  • mais de 85 minerais em forma iónica (magnésio, cálcio, fósforo, ferro …)
  • 60 macro e microelementos
  • uma grande variedade de vitaminas (A, E, B1, B2, B3, B6, B12, C …)
  • aminoácidos essenciais e não-essenciais
  • monoinsaturados e ácidos poliinsaturados
  • selénio
  • fosfolípidos
  • ácido húmico
  • ácido fúlvico

ÁCIDO FÚLVICO- O TRUNFO ORGÂNICO DE SHILAJIT

  • Uma célula é caracterizada por processos electroquímicos complexos. Em termos simples, é um mecanismo bem ajustado que depende de uma rede segura e uma boa bateria, sendo que o ácido fúlvico é um dos electrólitos mais eficazes na Natureza. Funcionando como pequenos carregadores de bateria, os eletrólitos promovem a actividade celular (a absorção dos alimentos, a defesa e conexão efetiva com outras células), agindo como CPRs altamente eficazes para as células mortas e moribundas. Devido às suas propriedades surpreendentes de restauração celular, o ácido fúlvico está  a ser estudado, devido ao seu papel na luta contra condições relacionadas com a idade, incluindo a doença de Alzheimer. O ácido fúlvico é gerado no solo e absorvido pelas plantas. O Shilajit é uma das melhores fontes de ácido fúlvico, uma vez que contém uma grande quantidade de matéria vegetal. Ele ajuda, de uma forma total, a activar as propriedades benéficas dos alimentos e outras substâncias ingeridas, transportando-os para onde eles precisam de ir. As propriedades bioactivas de Shilajit e nutrientes vitais podem ajudar a substituir suplementos sintéticos dietéticos por menores, mas mais eficazes ferramentas naturais!

    MINERAIS  NO SHILAJIT – A SUA ARMADURA IÓNICA

    Além do ácido fúlvico, o Shilajit possui uma riqueza de minerais, tornando-o numa fonte suplementar de valor inestimável, especialmente para vegetarianos. Shilajit contém 85 minerais na sua totalidade! A eficácia da absorção de minerais depende do tamanho das partículas. No Shilajit, as partículas minerais estão numa forma iónica, o que faz com que a absorção celular seja muito mais eficaz. Shilajit contribui para a melhoria da saúde óssea e cicatrização de feridas, fortalecendo o sistema imunológico, livrando-nos de substâncias indesejadas.

    A exacta composição química de Shilajit pode variar, dependendo da sua região de origem. As montanhas de Altai foram escolhidas como a origem de MOUNTAINDROP, pois são uma das regiões mais limpas, remotas e intocadas do mundo.

     

     

    Outras ligações:

    • in the EU: EFSA (European Food Safety Authority),
    • in the USA:NCBI (National Center for Biotechnology Information)

    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23733436

    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3609271/

    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3758058/

    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20078516

    Outros estudos médicos nos EUA:

    NaturalNews. America’s Truth News Bureau

    Estudos médicos no resto do mundo:

    http://rudramani.com/research/potential-contributions-of-shilajit-to-alzheimers-disease-prevention.pdf

    http://www.hindawi.com/journals/ijad/2012/674142/citations/  

     

    * Estas declarações não foram avaliadas pela FDA. Estes produtos não são destinados a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença.

COMO DEVE MOUNTAINDROP SER TOMADO E EM QUE QUANTIDADE?

O produto é tradicionalmente tomado uma vez por dia, dissolvido em água quente, chá ou leite com uma temperatura até 39 °C. Água filtrada e sem cloro é recomendada. As doses iniciais devem ser do tamanho de um grão de trigo, incrementando posteriormente até ao tamanho de uma ervilha. O Ghee (manteiga clarificada), a manteiga de coco ou mel também pode ser adicionados à solução.

CONSUMO: Diariamente – 0,2 g a 0,6 g (tamanho de uma ervilha)

A ingestão diária recomendada (0,2 a 0,6 g) não deve ser excedida. Depois de três

semanas de ingestão, uma pausa de uma semana é recomendada.

MUMIE (SHILAJIT) TEM ALGUNS EFEITOS SECUNDÁRIOS?

Se usado da maneira correta e dosagem, Shilajit não está associado a nenhum efeito colateral grave. Nos casos em que alguém toma suplementos de ferro juntamente com Shilajit, pode levar à formação de um excesso de ferro no sangue, pois Shilajit contém uma quantidade bastante alta de ferro. Em casos muito raros, pode agravar a gota ou baixar a pressão arterial. Mas, além desses três casos, Shilajit é perfeitamente seguro, mesmo em quantidades superiores às normais.

Os efeitos colaterais do Shilajit podem ser indicativos de um Shilajit de baixa qualidade, ou algo que diz ser Shilajit, mas não é realmente assim. Esteja ciente de que muitos suplementos Shilajit no mercado não são exatamente o que eles são relatados para ser. Alguns deles contêm fertilizante. Outros contêm metais pesados tóxicos. Tenha certeza que você está pegando as coisas certas.

Possíveis efeitos colaterais do ácido fúlvico podem ocorrer da mesma forma, se tomados de forma isolada, já que não estão no mesmo arranjo que um verdadeiro Shilajit estará.

Para muitos, é melhor tomar Shilajit com alimentos para minimizar qualquer sensação de desequilíbrio que possa ocorrer.

No entanto, é sempre uma boa idéia escutar seu corpo e parar de tomar Shilajit se você notar sintomas de uma reação alérgica, que pode incluir náusea, tontura, aumento da frequência cardíaca, coceira, etc. Lembre-se de que isso conta para tudo o que ingerimos e não houve casos relatados de reações alérgicas graves a Shilajit.

Naturalmente, é sempre melhor conversar com seu médico antes de tomar qualquer suplemento, especialmente nos casos em que você já toma medicamentos prescritos.

Se tomar uma dose muito alta, o Shilajit pode aumentar os níveis de ácido úrico, o que, por sua vez, pode levar ao aumento dos níveis de bílis, resultando em mais problemas. No entanto, isso acontece somente quando uma dose muito grande é administrada.

SOURCES
  • Hill, Carol; Forti, Paolo (1997). Cave minerals of the world, Volume 2. National Speleological Society. pp. 217–23. ISBN 978-1-879961-07-4.
  • Ahmed R. Al-Himaidi, Mohammed Umar (2013). “Safe Use of Salajeet During the Pregnancy of Female Mice”. Journal of Biological Sciences. 3 (8): 681–684. doi:10.3923/jbs.2003.681.684.
  • Anna Aiello, Ernesto Fattorusso, Marialuisa Menna, Rocco Vitalone, Heinz C. Schröder, Werner E. G. Müller (September 2010). “Mumijo Traditional Medicine: Fossil Deposits from Antarctica (Chemical Composition and Beneficial Bioactivity)”. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine. 2011: 738131. doi:10.1093/ecam/nen072. PMC 3139983Freely accessible. PMID 18996940.
  • ASh Shakirov: Antimicrobial Action of mumiyah-asil in Connection wih some Pus Causing Microorganism (russisch) In: Materials of the Secound Scientific Conference of the Young Scholar-Physicians of Uzbekistan, pp. 127–128, Tashkent (1966)
  • ASh Shakirov: Treatment of Infected Wounds by mumiyah. In the Experiment (Russian).In Materials of the Scientific Practical Conference of the Tashkent Advanced Training Institute for Physicians, pp. 58–59, Tashkent (1966)
  • Benno R. Meyer-Hicken: Über die Herkunft der Mumia genannten Substanzen und ihre Anwendung als Heilmittel. Diss. Fachbereich Medizin, Universität Kiel 1978.
  • Bucci, Luke R (2000). “Selected herbals and human exercise performance”. The American Journal of Clinical Nutrition. 72 (2 Suppl): 624S–36S. PMID 10919969.
  • Carl Reichert: Die Mumia nativa oder Muminahi, eine Art prähistorisch-antiseptisches Verbandmittel in Persien. In: Deutsches Archiv für Geschichte der Medicin u. medicinische Geographie 3, 1880; Neudruck Hildesheim und New York 1971; S. 140–145.
  • David Winston & Steven Maimes. Adaptogens: Herbs for Strength, Stamina, and Stress Relief, Healing Arts Press, 2007. ISBN 978-1-59477-158-3
  • Faruqi, S.H. 1997, Nature and Origin of Salajit, Hamdard Medicus, Vol XL, April–June, pages 21–30
  • Frolova, L. N.; Kiseleva, T. L. (1996). “Chemical composition of mumijo and methods for determining its authenticity and quality (a review)”. Pharmaceutical Chemistry Journal. 30 (8): 543–547. doi:10.1007/BF02334644.
  • Frolova, L. N.; Kiseleva, T. L.; Kolkhir, V. K.; Baginskaya, A. I.; Trumpe, T. E. (1998). “Antitoxic properties of standard dry mumijo extract”. Pharmaceutical Chemistry Journal. 32 (4): 197–199. doi:10.1007/BF02464208.
  • Gerhard Steinmüller: Perlen der russischen Medizin. 1. Auflg. Stadtdruckerei, Pawlograd, Ukraine 1993, S. 11–13.
  • Ghosal, S., B. Mukherjee and S. K. Bhattacharya. 1995. Ind. Journal of Indg. Med. 17(1): 1–11.
  • Ghosal, S.; Reddy, J. P.; Lal, V. K. (1976). “Shilajit I: Chemical constituents”. Journal of Pharmaceutical Sciences. 65 (5): 772–3. doi:10.1002/jps.2600650545. PMID 932958.
  • Hill, Carol A.; Forti, Paolo (1997). Cave minerals of the world. 2 (2nd ed.). National Speleological Society. p. 223. ISBN 978-1-879961-07-4.
  • http://www.bgr.bund.de/DE/Themen/Sammlungen-Grundlagen/GG_Sammlungen/Objekt_Monat/1004_mumiyo.html
  • Igor Schepetkin, Andrei Khlebnikov, Byoung Se Kwon, Medical drugs from humus matter: Focus on mumijo [3]
  • Joshi, G. C., K. C. Tiwari, N. K. Pande and G. Pande. 1994. Bryophytes, the source of the origin of Shilajit – a new hypothesis. B.M.E.B.R. 15(1–4): 106–111.
  • Jürgen Bause: Gesundheit aus den Bergen Asiens. Wissenschaftsverlag Ulm, 2007, ISBN 978-3-9811471-0-0.
  • Kiseleva, T. L.; Frolova, L. N.; Baratova, L. A.; Baibakova, G. V.; Ksenofontov, A. L. (1998). “Study of the amino acid fraction of dry mumijo extract”. Pharmaceutical Chemistry Journal. 32 (2): 103–108. doi:10.1007/BF02464176.
  • Kiseleva, T. L.; Frolova, L. N.; Baratova, L. A.; Ivanova, O. Yu.; Domnina, L. V.; Fetisova, E. K.; Pletyushkina, O. Yu. (1996). “Effect of mumijo on the morphology and directional migration of fibroblastoid and epithelial cellsin vitro”. Pharmaceutical Chemistry Journal. 30 (5): 337–338. doi:10.1007/BF02333977.
  • Kiseleva, T. L.; Frolova, L. N.; Baratova, L. A.; Yus’Kovich, A. K. (1996). “HPLC study of fatty-acid components of dry mumijo extract”. Pharmaceutical Chemistry Journal. 30 (6): 421–423. doi:10.1007/BF02219332.
  • Kizaibek, Murat (2013). “Research advances of Tasmayi”. Zhongguo Zhong Yao Za Zhi. 38 (3): 443–448. doi:10.4268/cjcmm20130331.
  • Lal, VK; Panday, KK; Kapoor, ML (1988). “LITERARY SUPPORT TO THE VEGETABLE ORIGIN OF SHILAJIT” (PDF). Ancient Science of Life,. 7: 145–8. PMC 3336633Freely accessible. PMID 22557605.
  • Robert Talbert – SHILAJIT – a materia medica monograph – California College of Ayurveda „Shilajit”, 2004
  • S. Ghosal, J. Lal, Sushil Singh: The core structure of shilajit humus. Soil bio.biochem.Vol 23, No.7, 673-80 (1991)
  • S. Ghosal, Reddy Lal, J.P. Shilajit I: Chemical Constituents J. pharm Sci., pp 772–773 (1976)
  • S. Ghosal, S. Singh, R. Srivastava: Shilajit II: Biphenyl-metabolites form Trifolium repens. J.Chem. Research pp 196–197 (1988)
  • S. Ghosal: Shilajit VII: Chemistry of shilajit, an immunmodulatory ayurvedic rasayan. Pure Appl. Chem., Vol 62, No.7,pp 1285–1288 (1990)
  • Schepetkin, Igor; Khlebnikov, Andrei; Kwon, Byoung Se (2002). “Medical drugs from humus matter: Focus on mumie”. Drug Development Research. 57 (3): 140–159. doi:10.1002/ddr.10058.
  • Schepetkin, Igor; Khlebnikov, Andrei; Kwon, Byoung Se (2002). “Medical drugs from humus matter: Focus on mumie”. Drug Development Research. 57 (3): 140–159. doi:10.1002/ddr.10058.
  • Shamarpa Rinpoche: Sangye Menla, approche spirituelle de la médecine tibétaine. Traduction de Jérome Edou, 47 p.Ed. Dhagpo Kagyu-Ling Montignac (1982)
  • Shibnath Ghosal (January 2009). “Chemistry of shilajit, an immunomodulatory Ayurvedic rasayan”. Pure and Applied Chemistry. 62 (7): 1285–1288. doi:10.1351/pac199062071285.
  • The antioxidant – genoprotective mechanism of the preparation Mumijo-Vitas [2]
  • Wilson, Eugene; Rajamanickam, G. Victor; Dubey, G. Prasad; Klose, Petra; Musial, Frauke; Saha, F. Joyonto; Rampp, Thomas; Michalsen, Andreas; Dobos, Gustav J. (June 2011). “Review on shilajit used in traditional Indian medicine”. Journal of Ethnopharmacology. 136 (1): 1–9. doi:10.1016/j.jep.2011.04.033. PMID 21530631.
  • Winston, David; Maimes, Steven (2007). “Shilajit”. Adaptogens: Herbs for Strength, Stamina, and Stress Relief. Inner Traditions / Bear & Company. pp. 201–204. ISBN 978-1-59477-969-5. Retrieved November 29, 2010.
  • Wolfgang Windmann: Mumijo- Das schwarze Gold des Himalaja. Windpferd-Verlag, 2005, ISBN 978-3-89385-475-2.
  • Yarovaya, Sofiya Alekseevna – Medical preparations based on Mumijo [1]
  • Zahler, P; Karin, A (1998). “Origin of the floristic components of Salajit”. Hamdard Medicus. 41 (2): 6–8.

Torne-se um representante da MOUNTAINDROP!

SIGA-NOS

PAGAMENTO SEGURO

mountaindrop secure payment by paypal
mountaindrop secure payment by paypal